Como é grande a minha dor

Tudo está consumado. Sim, tudo foi consumado em meu Filho querido, conforme previam as Escrituras; e Eu, ao lado de sua cruz, e depois em sua glória, permaneço na eternidade. (…) Façam-se dignos deste ato de misericórdia de Deus para conosco, entregando seu único Filho como vítima inocente de todos os nossos pecados.

29 de março de 1994

Versão áudio

Meus filhos,

Esta semana lembra a dor e os tormentos do meu querido Jesus, e isso muito me entristece. Meu coração se enche de dor quando passa por mim a lembrança daquela noite e o raiar da aurora mais angustiante dos meus dias na Terra.

Meu querido Jesus, que sob os meus cuidados cresceu como um lírio imaculado, regado com muito carinho, é condenado como um criminoso. Meu Jesus, meu querido Jesus, entregue a toda sorte de ultrajes, indefeso, obediente à vontade do Pai Celeste.

Depois de uma aflita procura, o horror inundou a minha alma naquele encontro, quando vi meu Filho querido sob o peso da cruz, totalmente desfigurado, e Eu, indefesa, sem nada poder fazer para aliviar tanto sofrimento. Senti o meu corpo desfalecer ao ouvir o barulho dos cravos rasgando a sua divina carne com batidas ritmadas e torturantes, e ao ser erguido na cruz, os meus olhos não podiam acreditar no que estavam presenciando. “Uma espada de dor transpassará o seu coração!”, disse o velho Simeão. E naquele momento a profecia se cumpria, e o meu Coração, ferido e angustiado, não podia conter tanto sofrimento.

Tudo está consumado. Sim, tudo foi consumado em meu Filho querido, conforme previam as Escrituras; e Eu, ao lado de sua cruz, e depois em sua glória, permaneço na eternidade.

Caríssimos, meditem bem e reflitam sobre tudo isso. Façam-se dignos deste ato de misericórdia de Deus para conosco, entregando seu único Filho como vítima inocente de todos os nossos pecados.

Obrigada por terem atendido ao meu chamado.

Referência: LOPES, Raymundo. Como é grande a minha dor. In: LEMBI, Francisco (Org.). Uma voz que fala aos meus ouvidos. 2. ed. Belo Horizonte: Magnificat, 2006. p. 93.

Os comentários estão fechados.